sábado, abril 03, 2010

DE QUE SE ALIMENTA A SUA POESIA?




Ontem à noite fui dar uma volta na praia. O cenário não poderia ser mais bonito: céu praticamente sem nuvens, uma linda lua minguante, mas ainda quase cheia, o mar refletindo o brilho da lua. 

Andei na beirinha do mar, sentindo as ondas mornas molharem os meus pés.

Seria o momento ideal para deixar nascer a poesia. Mas, não. Aquele cenário tão lindo, que nem parecia de verdade, não me inspirou coisa alguma. Não trouxe saudades de amores antigos, nem esperança de um amor futuro.

A única coisa que senti foi a incômoda sensação de um presente vazio e seco.  Me perguntei como eu podia estar ali e não conseguir pensar em amor, nem em sonhos...  

Chorei.
E descobri que minha poesia não se alimenta de tristeza, nem de lágrimas.


.

3 comentários:

Cheiro de Vida Guest House disse...

"Seria o momento ideal para deixar nascer a poesia.Mas, não. Aquele cenário tão lindo, que nem parecia de verdade, não me inspirou coisa alguma."

Márcia,isso acontece comigo tb.Penso que nessas horas,a poesia se furta de nós e vai pro céu,pra lua,pro mar, e nos permite vê-la no espaço,no ambiente.É como se transportasse para um quadro vivo,pintado pelas mãos de Deus...neste momento percebemos a poesia com os olhos.

Um beijo pra quem consegue ver,viver e escrever poesias...um beijo pra vc Márcia.

Marcia Carvalho disse...

Marisa

Sua amizade é um presente!

Beijos

Lion of Zion disse...

Olá gostamos do seu trabalho!

Somos do Lion of Zion e estamos lhe convidando para nos visitar e posteriormente nos seguir. Visite nosso blog onde respeitamos sua opinião e inteligência.

Abraço!

http://cartesianofinito.blogspot.com/

Related Posts with Thumbnails